Tião e a onça

  1. Tião e a onça

No sítio do Zezinho tem vários animais. Como toda roça caipira tem galinhas, porcos, vacas e outros animais domésticos, como o cachorro e o gato. Entre as galinhas se destaca a botadeira. Ela bota vários ovos por semana. Mas quando fica nervosa, sai um ovo atrás do outro. É ovo que não para mais.

A mimosa é uma vaca tranqüila, dá muito leite na fazenda. Ela fica no rancho e todos os dias alguém da casa vai retirar logo cedo o leite quente que dói os dentes da gente.

O mascote da roça é o porco. Ele é um bicho desastrado e vive reclamando. Tem medo de tudo, e principalmente, medo de se tornar o leitão do natal.

Há também os patos, que vivem no lago perto do sítio. Sempre se refrescando e brigando com os gansos, porque a pesar de primos, nunca assumem parentesco. E ganso que é ganso, é briguento desde sempre.

Existe o sabiá, o bem-te-vi, e alguns pardais que sempre estão no sítio. Entre os pássaros itinerantes tem o João de Barro e o pica-pau.

Zé tem uma gata, que se chama nina, ela é preguiçosa e vive se esfregando nas pernas das pessoas. É um melado só. E também tem um guardião da roça. O cachorro Tião. Sempre rondando a casa, de dia e de noite. Nunca é visto dormir um sono por horas, só vários cochilos pelo dia. Mas está sempre atento a tudo que acontece dentro da casa e fora dela.

Certo dia veio o sabiá. Aquele que não sabia assobiar. Dar um recado aos animais. A pintada está rondando o sítio. Foi aquele alvoroço. A botadeira já começou a botar ovo sem parar.  O porco já derrubava tudo porque queria se esconder. Os patos sumiram e os gansos já não brigavam mais. A nina se escondeu no quarto do Zé. A Mimosa travou o leite, pois estava com medo.

– Pelas aves do céu! Estamos perdidos! – dizia a botadeira já soltando ovo.

– Rooc… será meu fim! – resmungava o leitão se escondendo no paiol.

– Muuu.. não tenho como fugir! – chorava a Mimosa com as pernas trêmulas.

Tião ao saber da notícia, não exitou, correu chamar a todos no terreiro atrás da casa. Convocou uma assembléia e disse o plano de defesa.

– Se todos cooperarem, não tem perigo! – aclamava o cachorro. – Temos que juntar as forças e enfrentar a onça!

– Eita. Ficou doido, Tião! Ela é esperta. Será nosso fim! – disse o porco.

– O plano é o seguinte… – explicou Tião mostrando passa a passo o plano.

Quando chegou a noite, todos estavam de prontidão. Naquele momento ninguém dormiu. O sabiá estava encarregado de avisar da aproximação. Como não sabia assobiar, iria cantar alto para que todos soubessem que era a felina.

Ouve-se um barulho. E nada de sabiá cantar. E todos já estavam ansiosos. Quando ouviu um estouro e depois um gemido. Não teve jeito. Foi animal fugindo para todos os lados. Tião latiu nervoso:

– Que bando de medrosos! Ninguém cumpriu o plano!

Então ele foi vistoriar o quintal, e descobriu que era o leitão, fuçando coisas para comer, e desarmou a armadilha do Zé para pegar ratos.

– Leitão! Você assustou todo mundo, o que faz ai?! – gritou Tião.

– Estou com fome, fui procurar o que comer. E a armadilha pegou meu nariz! – respondeu o porco.

– Seu berro assustou a todos! – retrucou o cachorro.

– Claro! Doeu! Por isso berrei. – justificou o leitão todo choroso.

No outro dia, Tião reunião os bichos do sítio. Fez um novo plano. E novamente à noite todos ficaram de plantão.

Quando de repente…

– Lá vem… lá vai… lá vem…

– lá vai lá vai…

– lá vem lá vem lá vem… – cantou o sabiá.

 

Todos estavam a postos e executaram desta vez o plano:

 

A onça chegou, para comer e roubar.

O ganso berrou, para distrair a pintada.

O Tião mordeu o traseiro da ladra.

A vitória aconteceu… E viva a bicharada!!!

Foi à cantoria de todos.

Zé que estava dormindo, acordou animais-da-fazenda-ilustracao-steve-morrisoncom os barulhos dos animais. Não entendeu nada o que havia acontecido. E deu aquele grito do quarto:

– Xiuuu. Fiquem quietos, uai! Já nem pode dormir sossegado! E depois pensou: – Uai sô! O que estes marvados estão aprontando?!